COVID-19: testes diagnósticos feitos na Unicamp contam com suporte do CEPID BRAINN


CEPID BRAINN - na luta contra a COVID-19 - coronavirus
Compartilhe! / Share this!
  • 20
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    20
    Shares

Pesquisadores associados ao CEPID doam tempo, experiência e equipamentos na luta contra o novo coronavírus.

30 de abril de 2020  | por Redação WebContent

Frente ao aumento no número de casos de COVID-19 em todo o país, em especial no estado de São Paulo, viabilizar testes diagnósticos para a doença passou a ser prioridade para os sistemas de saúde. A Unicamp, no início do mês, ganhou certificação do Instituto Adolfo Lutz e, com isso, começará em breve a realizar testes para COVID-19 em larga escala.

Eles serão feitos em um novo laboratório, que está sendo montado exclusivamente para esta finalidade, e que conta com a ajuda de pesquisadores e equipamentos do CEPID BRAINN.

CEPID-BRAINN-Fluxo-Laminar-emprestado-para-combate-ao-COVID-191

O fluxo laminar emprestado para o novo laboratório.

 

André Vieira, pesquisador associado do CEPID BRAINN, é coordenador da Frente de Pesquisa e Desenvolvimento da Força-Tarefa da Unicamp contra a COVID-19. André já participou da elaboração de novos protocolos de testes para o coronavírus, baseados em reagentes nacionais. Agora, trabalha na organização do novo laboratório e na logística para a realização de centenas de testes diagnósticos por dia.

André Vieira (direita), pesquisador associado do CEPID BRAINN, participou também da elaboração de novos protocolos de testes para o coronavírus, baseados em reagentes nacionais.

 

Dentre os diversos desafios enfrentados pelos pesquisadores está a falta de equipamentos adequados para manipulação segura de materiais que contenham o vírus. Cabines de fluxo laminar – essenciais no processamento inicial das amostras -, por exemplo, estão em alta demanda no país, com “listas de espera” de meses para a compra. Por isso, o novo laboratório contou com a colaboração da Dra. Iscia Lopes Cendes, pesquisadora principal do CEPID BRAINN, que emprestou um fluxo laminar de nível elevado de biossegurança (B2) para a iniciativa. O equipamento é um dos poucos da Unicamp capaz de trabalhar com ar 100% renovado, totalmente eliminado do ambiente laboratorial, garantindo o grau adequado de segurança para o processamento de amostras contaminadas com o coronavírus.

BRAINN - doacao de fluxo laminar para combate ao COVID-19

Os pesquisadores Iscia Lopes Cendes e André Vieira, do CEPID BRAINN

 

“A disponibilidade de equipamentos nesse momento é algo crítico. Mesmo tendo equipe e recursos para investir em pesquisas, sem estes equipamentos adequados os estudos são inviáveis, dado o risco biológico que o novo coronavírus representa”, afirma André Vieira.

“É importante salientar o importante papel da Força-Tarefa no combate ao COVID-19 montada pela Pró-Reitoria de Pesquisa da UNICAMP”, explica Iscia. “Essa iniciativa foi viabilizada em pouquíssimo tempo e já está muito bem organizada, com várias frentes de trabalho, oferecendo suporte para os grupos envolvidos na assistência aos pacientes (como para a realização dos testes por RT-PCR) e também na pesquisa. Outro ponto a se ressaltar é a grande integração entre vários grupos de pesquisa de diferentes unidades da UNICAMP”, disse a pesquisadora.

“Para mim foi um enorme prazer poder ajudar com o empréstimo do fluxo laminar”, afirmou Iscia Lopes Cendes.

O novo laboratório está sendo montado no Laboratório Central de Tecnologias de Alto Desempenho em Ciências da Vida (LaCTAD) da Unicamp e deve ficar pronto ainda essa semana. Nesta quarta-feira (29/04), a Prefeitura de Campinas anunciou uma parceria com a Universidade, atualmente em processo final de negociação, que prevê a realização de 10 mil testes para o novo coronavírus. Será a estreia do novo laboratório e do fluxo laminar –colaborações que colocam também o CEPID BRAINN no centro da luta contra a COVID-19.

 


Compartilhe! / Share this!
  • 20
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    20
    Shares