Pesquisador do BRAINN publica em uma das maiores revistas científicas médicas do mundo


CEPID BRAINN - pesquisa trombectomia AVC do DR LI LI MIN

Estudo sobre trombectomia em pessoas com acidente vascular cerebral – de alta relevância para os sistemas de saúde de todo o mundo – contou com a participação do dr. Li Li Min, do CEPID BRAINN, e foi publicado no The New England Journal of Medicine.

12 de junho de 2020  | por Redação WebContent

CEPID BRAINN - pesquisa trombectomia AVC do DR LI LI MIN - artigo no TNEJOM

Clique aqui para acessar o artigo no website to The New England Journal of Medicine

O Acidente Vascular Cerebral, popular AVC ou “derrame”, é um dos problemas de saúde mais comuns no Brasil e no mundo. Estima-se que, em média, uma a cada 6 pessoas sofrerá um AVC durante a vida. Aqui no Brasil, esta é a segunda principal causa de mortes em todo o país. Apesar do número de óbitos ter diminuído nos últimos anos, o AVC ainda é uma grave preocupação, já que corresponde, também, à maior causa de incapacidade em pacientes. Tratamentos que aumentem a sobrevida de quem teve um AVC e que possam reduzir complicações são necessários e sempre benvindos.

Recentemente, estudos internacionais mostraram os benefícios da realização de trombectomia em pacientes de AVCs causados por oclusão de grandes vasos sanguíneos. O procedimento, que envolve a retirada mecânica de coágulos de sangue destes vasos, é complexo e deve ser realizado dentro de uma janela curta de tempo após a ocorrência do AVC. Por esses motivos, a técnica tem sido testada no momento apenas em países desenvolvidos, que possuem um sistema de saúde avançado.

Os resultados da trombectomia, porém, são animadores. O tratamento permite um rápido retorno do fluxo sanguíneo ao cérebro, protegendo regiões que ainda não foram afetadas pela isquemia. Pacientes elegíveis para a técnica costumam se recuperar melhor e ter menos sequelas.

Confira na simulação acima um exemplo de trombectomia como tratamento pós-AVC

 

TROMBECTOMIA PÓS-AVC EM PAÍSES COMO O BRASIL? 

Aqui no Brasil, houve recentemente a tentativa de incluir a trombectomia como uma opção de tratamento às vítimas de AVC pelo SUS. O governo, porém, determinou que a técnica é cara e que o custo-benefício, assim como sua eficiência, ainda não tinham respaldo em dados científicos. Mas aceitou custear um grande estudo sobre o tema, chamado RESILIENT, para demonstrar as taxas de sucesso da trombectomia nesses pacientes e o quanto ela poderia auxiliar na recuperação.

Nesse estudo, participaram pesquisadores de todo o país, incluindo o dr. Li Li Min, Coordenador de Educação e Difusão do Conhecimento do CEPID BRAINN e membro da equipe do RESILIENT vinculada ao Hospital das Clínicas da Unicamp.

Participantes do estudo RESILIENT, time do Hospital das Clínicas da Unicamp

Li Li Min, Fabrício Buchdid Cardoso, André Luis Nunes Albano de Meneses, Thiago Santos Prado, Felipe Otávio de Paula, Isabela Bruzzi Bezerra Paraguay, Leonardo de Deus Silva, Daniel Oliveira de Almeida, Mariana Rabelo de Brito, Sonia Neves Romeu

 

OS RESULTADOS

Lean Healthcare. Plasticidade cerebral sob influência de diferentes estímulos. Divulgação Científica.

O dr. Li Li Min, do CEPID BRAINN, é um dos autores do estudo

Os resultados do estudo – o primeiro a testar a trombectomia pós-AVC em um país em desenvolvimento – foram publicados na edição mais recente do “The New England Journal of Medicine“, uma das maiores e mais prestigiadas revistas acadêmicas do mundo, com fator de impacto de 70.67 – o maior dentre todos os periódicos médicos.

O estudo afirma que é possível, seguro e eficaz o uso da técnica para tratamento de Acidentes Vasculares Cerebrais endovasculares no Brasil, demonstrando que os pacientes, 90 dias após o AVC, tiveram melhora significativa quando comparados a pacientes que não receberam a trombectomia.

Espera-se que o estudo abra portas para que os sistemas de saúde do Brasil e de outros países em desenvolvimento passem a avaliar positivamente o uso da trombectomia pós-AVC, que agora possui uma sólida base de informações que engloba não apenas países desenvolvidos.

“Conseguimos demonstrar que é possível oferecer este tipo de tratamento sofisticado dentro da realidade do nosso Sistema Único de Saúde aos pacientes com AVC, aumentando a probabilidade de sobrevivência e com menos sequelas”, afirmou o Dr. Li Li Min.

 

 

Fique alerta! Sintomas do AVC

  • Alteração do Movimento: Alteração do movimento e/ou da sensibilidade em uma parte do corpo.
  • Dor de cabeça súbita: Dor de cabeça intensa e súbita.
  • Alteração no Equilíbrio: Tontura, alteração no equilíbrio (andar como bêbado).
  • Dificuldade na Fala: Dificuldade para falar e/ou entender.
  • Alteração da Visão: Alteração da visão, como visão dupla e/ou dificuldade para enxergar.
  • Náuseas: Náusea/vômito, dificuldade para engolir e/ou perda da consciência (desmaio).

 

Na dúvida quanto aos sintomas? Lembre-se do “SAMU”

  1. Sorria … se verificar assimetria facial…
  2. Abrace … se verificar perda de força…
  3. Música … se verificar dificuldade na fala…
  4. Urgente … ligue para o SAMU (192)!

avc-banner dia conscientizacao

 

 

REFERÊNCIAS