Coluna “AVC sem mistério” aborda sintomas e quadro clínico de AVC transitório


programa-oxigenio-avc-sem-misterio-ep2

Segundo episódio da série “AVC sem mistério” explica o que é o AVC transitório, um sinal de alerta do corpo que exige cuidados e atenção.

18 de Outubro de 2016

A médica neurologista Elizabeth Quagliato, colunista do Programa Oxigênio, uma produção do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor/Unicamp) e da RTV Unicamp, apresenta em sua segunda participação importantes informações sobre sintomas e quadro clínico de um Acidente Vascular Cerebral. Quagliato é formada pela Unicamp, com residência e doutorado pela mesma instituição. Foi professora da Faculdade de Ciências Médicas (FCM/Unicamp) entre os anos de 1980 e 2013.

 

 

A coluna “AVC sem mistérios” é uma série de quatro episódios que ajudam a desvendar os fatores de risco, tratamentos e discutir sobre Acidente Vascular Cerebral, doença que segundo o Ministério da Saúde mata mais de 60 mil pessoas por ano. Prevenção é tudo. Ouça/leia a coluna!

 

 

TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

 

Texto: Elizabeth Quagliato
Produção: Programa Oxigênio/Erik Nardini Medina*

 

Nesta edição da coluna “AVC sem mistério” vamos abordar o quadro clínico do Acidente Vascular Cerebral. Quero chamar a atenção para os sintomas que o AVC apresenta antes de que ocorra um episódio definitivo. Esse AVC inicial que pode indicar um risco muito grande de a pessoa vir a ter um AVC definitivo é chamado AVC transitório.

[O AVC transitório] se caracteriza por um sintoma neurológico, de perda súbita de visão, de fraqueza, de alteração de sensibilidade de um lado do corpo, ou uma vertigem muito intensa, súbita e com perda de equilíbrio. Pode haver também uma perda da fala.

complicacoes-no-olho-avcEsses episódios geralmente são muito rápidos: duram de uma hora até no máximo doze horas. Alguns especialistas acreditam que pode durar até 24 horas, mas esse Acidente Vascular Cerebral rápido significa que existe um risco no território dessa irrigação cerebral.

Existe alguma artéria que está sendo obstruída e que, ao acaso, por uma sorte muito grande, foi desobstruída automaticamente. Mas essa artéria, de um momento para o outro, pode novamente sofrer uma obstrução e gerar uma sequela, um déficit neurológico definitivo.

Um episódio que não é raro e que chama muito a nossa atenção é a perda súbita de visão em um olho. É a chamada amaurose (cegueira) fugaz. A pessoa de repente deixa de enxergar de um lado e após algumas horas volta a funcionar, a circulação novamente volta a funcionar e a pessoa enxerga.

Perda súbita de visão e amnésia global transitória, quando a pessoa passa horas fazendo atividades das quais não se lembra de ter feito, são sintomas graves de um Acidente Vascular Cerebral transitório; é preciso procurar socorro imediato.

Então, imediatamente ela tem que procurar um serviço, um atendimento para verificar principalmente sua artéria carótida, porque a artéria que irriga o olho – a artéria oftálmica – é o primeiro ramo da artéria carótida, um vaso principal que leva a circulação ao nosso cérebro.

Um outro episódio que não pode ser subestimado é a chamada amnésia global transitória. A pessoa fica duas, três ou até quatro horas fazendo automaticamente tarefas ou atividades das quais não se lembra de ter feito. Ela pode dirigir, conversar, mas de uma maneira imperfeita, incompleta, ela fica estranha. E normalmente chama a atenção da família e das pessoas próximas.

desorient_erik_nardini

Amnésia global transitória: esquecimento temporário e desorientação podem indicar um AVC

 

A pessoa deve ser imediatamente encaminhada a um hospital, principalmente se tiver mais de sessenta anos de idade, e deve ter a consideração diagnóstica de Acidente Vascular Cerebral. Então isso é um AVC transitório na região da memória e, portanto, essa pessoa pode vir mais adiante a ter um AVC definitivo.

Fique atento.

 

* Jornalista formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), aluno da especialização em Jornalismo Científico do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor/Unicamp). É bolsista MídiaCiência/FAPESP.