Problemas para dormir? A culpa pode ser do telefone


Bloquear a emissão de luz de aparelhos eletrônicos à noite é mais eficiente que tomar remédio para dormir, indica novo estudo.

24 de agosto de 2017     Por Redação WebContent

Qual o segredo para uma boa noite de sono? Esta é uma informação preciosa nos tempos modernos. Por mais que os malefícios de uma noite passada em claro sejam conhecidos – mal-humor, sonolência e dificuldades para realizar tarefas que exigem concentração e raciocínio -, as dificuldades para dormir são cada vez mais prevalentes. Mas um novo estudo pode ajudar a reverter esta tendência, apontando que bloquear a luz emitida por dispositivos eletrônicos é maneira eficiente de aumentar a qualidade do sono e ajudar as pessoas a dormir mais e melhor.

 

O QUE CAUSA TANTA INSÔNIA?

Em pesquisa recente realizada pelo National Sleep Foundation’s Sleep Health Index nos Estados Unidos, por exemplo, mais de 40% dos norte-americanos disseram que suas atividades cotidianas haviam sido significantemente impactadas por uma noite de sono mal dormida ao menos uma vez nos últimos sete dias.

O que estaria causando esta ‘onda de insônia’? Uma possível causa para a falta de sono talvez seja um hábito cada vez mais comum nas casas brasileiras (e de todo o mundo): o uso de dispositivos eletrônicos logo antes de ir para a cama.

Uma pesquisa da consultoria alemã GFK indicou a insônia como uma das principais consequências de estresse para 41% dos brasileiros entre 20 e 29 anos.

problemas para dormir 2

 

O SEGREDO DA LUZ AZUL

A maior fonte de luz no comprimento de onda do azul é o sol, portanto nosso cérebro compreende esse tipo de radiação como uma luz ‘de dia’.

O contato constante com ela à noite nos deixa mais alertas.

Na era de smartphones e tablets, muitos desenvolveram o hábito de assistir a vídeos e usar aplicativos na hora de dormir. Esses dispositivos, entretanto, emitem luz no comprimento de onda azul. A maior fonte desse tipo de luz é o sol, mas ela também é emitida pela maioria dos dispositivos baseados em LED. A luz azul ativa fotorreceptores de células dos nossos olhos chamadas de células retinais ganglionares intrinsecamente fotossensíveis (ipRGCs). Essas células suprimem a produção de melatonina pelo corpo – uma substância que estimula o sono.

Assim, a luz azul tem importante influência no relógio interno de nosso corpo (também conhecido como ritmo circadiano), aumentando o nível de alerta e dificultando o sono.

ESPECTRO DA LUZ AZUL

Uma nova pesquisa, realizada pela Universidade de Houston, nos Estados Unidos, e publicada no último mês de julho no periódico científico Ophthalmic & Physiological Optics mostrou que bloquear a luz azul de smartphones e tablets pode melhorar a qualidade do sono dos usuários. O estudo foi realizado por 22 voluntários que tinham entre 17 e 42 anos de idade e que, por duas semanas, usaram óculos especiais que bloqueavam a luz no comprimento de onda azul por três horas antes de irem dormir. Todos mantiveram a mesma rotina de uso de dispositivos eletrônicos que seguiam antes do experimento.

 

MELHOR QUE MEDICAMENTOS PARA DORMIR

Os resultados mostraram que o uso dos óculos aumentou os níveis de melatonina no organismo dos participantes em cerca de 58%. De acordo com a Dr. Lisa Ostrin, primeira autora do artigo e especialista em oftalmologia, um aumento como esse é maior até mesmo do que aqueles obtidos com medicações que contêm suplementos de melatonina.

oculos de bloqueio da luz azul

Empresas já estão comercializando óculos que bloqueiam até 99% da luz no espectro azul, o que pode ajudar a melhorar a qualidade do sono

 

Os participantes também foram monitorados 24 horas por dia, inclusive enquanto dormiam. A análise mostrou que a duração do sono dos voluntários aumentou em média 24 minutos por noite durante o período em que usaram os óculos especiais. Eles também disseram que dormiram melhor e mais rápido.

“A conclusão mais importante [desse estudo] é que a luz azul antes de dormir realmente piora a qualidade do sono”, diz Ostrin. “E o sono é muito importante para a regeneração de muitas funções do nosso organismo”.

 

Alguns dispositivos eletrônicos já têm, inclusive, um “Modo Noturno” que pode ser acessado nas opções de “Tela e Brilho” e que diminui a emissão de luz azul.

 

A pesquisadora recomenda diminuir o tempo de exposição à tela dos dispositivos eletrônicos à noite, aplicar filtros de luz azul ou usar óculos que bloqueiem a luz nesse comprimento de onda.

“Ao bloquear a luz azul de alguma forma, nós estamos diminuindo o estímulo dos fotorreceptores, então podemos melhorar a qualidade do sono e manter o uso dos dispositivos”, diz Ostrin. “Isso é bom, pois podemos continuar sendo produtivos à noite, sem prejudicar, contudo, o nosso sono”.

 

 

PARA SABER MAIS

  • Lisa A. Ostrin, Kaleb S. Abbott, Hope M. Queener. Attenuation of short wavelengths alters sleep and the ipRGC pupil response. Ophthalmic & Physiological Optics. Volume 37, Issue 4, July 2017. Pages 440–450.
  • Acessar paper online

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *