Purple Day veste o mundo de roxo para conscientizar sobre a epilepsia


purple day 2016 - versão 2
Por Erik Nardini

 

Em 26 de março o mundo veste roxo durante o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia. Instituído em 2008, o Purple Day é dedicado à reflexão sobre a epilepsia, suas formas de tratamento e prevenção. O esforço se propõe também a derrubar estigmas de uma sociedade que ainda se assusta – e discrimina – as vítimas da síndrome, que se manifesta na forma de crises, algumas mais fracas, outras mais sérias.

A epilepsia não é contagiosa, e afeta 50 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). É uma espécie de desorganização dos sinais elétricos do cérebro capaz de provocar convulsões. Na maioria dos casos, as crises desaparecem de maneira espontânea, mas tendem a se repetir em períodos aleatórios. A origem está em problemas no parto, quedas que tenham afetado o sistema nervoso, e malformação do córtex cerebral.

unicamp iluminada pelo Purple Day

Durante as comemorações do Purple Day, locais emblemáticos de todo o mundo são iluminados de roxo para conscientizar sobre a epilepsia.

 

“Considero o Purple Day uma “data simpática” para a conscientização. É um movimento mundial que traz uma história, uma figura (Cassidy Megan, jovem canadense que idealizou a data e tornou um ícone), uma mensagem e uma cor”, conta Isilda Sueli Assumpção, presidente do projeto Assistência à Saúde de Pacientes com Epilepsia (Aspe) e enfermeira do Hospital das Clínicas da Unicamp.

 

EPILEPSIA NO DIA A DIA

fernando cendes pesquisador do BRAINN

O pesquisador Fernando Cendes, do BRAINN

E não é só durante o Purple Day que há o esforço da conscientização. Pesquisadores travam batalhas diárias contra a epilepsia, estudando novas formas de combater a síndrome, afirma Fernando Cendes, professor da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp e pesquisador do Brazilian Institute of Neuroscience and Neurotechnology (Brainn). “A equipe multidisciplinar do instituto atua em diversas frentes para aperfeiçoar o diagnóstico e reduzir seus impactos”, conta o professor.

O eletroencefalograma (EEG) é o exame mais comum para analisar as crises. Os resultados obtidos são cruzados com uma série de variáveis que relacionam da idade ao histórico de vida do paciente e de sua família. “O EEG pode ser rotineiro, com eletrodos alocados sobre o couro cabeludo, mas há também situações um pouco mais raras em que são implantados no cérebro do paciente”, explica.

Cendes diz há testes ainda mais avançados, na área da ressonância magnética (RM), com imagens tridimensionais que permitem avaliar as estruturas cerebrais e determinar com mais precisão o local de lesões que causam as crises.

“As análises de imagem são ferramentas essenciais para avaliarmos o melhor tratamento para o paciente. Com a precisão desses diagnósticos, que podem revelar alterações discretas ou extensas, podemos conduzir cirurgias em pacientes que já passaram por outros tratamentos com baixas taxas de sucesso”, avalia o pesquisador.

 

CANABIDIOL

A substância encontrada na Cannabis sativa atua no sistema nervoso central e é um aliado no tratamento de doenças psiquiátricas ou neurodegenerativas, notadamente a esquizofrenia, o mal de Parkinson e a epilepsia. O composto foi isolado na década de 40, mas a luta para uso em medicamentos ainda gera controvérsias. Em cumprimento a uma decisão judicial a Anvisa liberou essa semana a prescrição e a importação de produtos com a substância – mas deve recorrer.

“O apelo do canabidiol (CBD) é que ele é natural, é um derivado da maconha que não causa ‘barato’”, sintetiza Fernando Cendes, do Brainn. O pesquisador não vê restrição quanto à administração em determinadas situações, mas avalia que o entusiasmo parece ser grande demais. “O CBD atua da mesma forma que outras drogas. Ele age nos mesmos receptores que outros medicamentos já regulados, aprovados pela Anvisa e com histórico mais conhecido”, explica.

 

ESTIGMAS PERSISTEM

Isilda Assumpção - BRAINN

Isilda Assumpção, presidente da ASPE

Apesar de reconhecer que ações como o Purple Day são importantes, a presidente do Aspe, Isilda Assumpção, avalia que os reflexos dessas atividades são observados lentamente. “Se você perguntar a uma pessoa que convive com epilepsia, ela dirá que as coisas não mudam. “Escutamos histórias tristes e até revoltantes de pessoas que são “convidadas” a se retirar de escolas, por exemplo, ou dizendo que não estão preparadas para socorrer uma criança ou um jovem durante uma crise, fora o bullying e as dificuldades para a conquista do emprego”, desabafa a enfermeira, que convive diariamente com esses casos.

Assim, a importância da data é ressaltar a conscientização. Apesar de reais e frequentes as dificuldades que enfrentam em relação à vida profissional, social, e até familiar, Assumpção lembra que os tempos mudaram, e que hoje a maior parcela de pessoas que convive com a doença consegue ter uma vida normal. “Trabalhamos para minimizar os efeitos relacionados ao sentimento de exclusão e baixa autoestima, determinados pelo preconceito que cerca essas pessoas”, conclui.

 

Texto originalmente publicado no ComCiência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *