Novas tecnologias assistivas oferecem mais autonomia a pessoas com deficiência


Tecnologia assistiva é um termo utilizado para identificar todo o arsenal de recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e, consequentemente, promover vida independente e inclusão. [1]

18 de Abril de 2016

por Erik Nardini Medina *

 

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA – UM PANORAMA

A “Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência”, mais recente levantamento sobre o tema produzido no país, oferece um panorama sobre as pessoas com deficiências de visão, audição, mobilidade, mentais e intelectuais.

documento, publicado em 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que 23,9% da população (45.606.048 pessoas) apresenta algum tipo de deficiência entre as cinco categorias mencionadas, sendo que 7% sofrem de alguma disfunção motora.

 

APARELHOS ASSISTIVOS: PRECISAMOS DE MUITOS

Os atores envolvidos em trabalhos relacionados às tecnologias assistivas não são poucos. Além da iniciativa privada, a própria Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece que são necessários “mais de um bilhão de produtos assistivos hoje” e que o número subirá para “mais de dois bilhões em 2050”.

Em importante iniciativa, inspirada na bem-sucedida “Lista de Medicamentos Essenciais”, a entidade desenvolveu a “Lista Modelo de Produtos Assistivos Prioritários”, que esteve aberta a respostas públicas no intuito de compor uma relação com 50 produtos essenciais para pessoas com algum tipo de deficiência. Descubra mais clicando aqui.

cadeira-de-rodas-mais-liberdade-é-um-desafio

Dar mais liberdade a quem se locomove em cadeiras de rodas é um dos objetivos dos grupos de pesquisa.

 

E O QUE OS PESQUISADORES ESTÃO FAZENDO?

Muita coisa, nós diríamos! Por mais que o desenvolvimento pareça caminhar a passos curtos, há uma ativa comunidade de pesquisadores trabalhando intensamente no desenvolvimento de máquinas que podem vir a mudar radicalmente a autonomia de pessoas com deficiência.

A chegada desses equipamentos ao mercado ainda é uma incógnita. Ciência, afinal, é também um exercício de paciência.

 

UMA CADEIRA DE RODAS ROBÓTICA SENSACIONAL

Um dos mais importantes projetos assistivos em andamento no Brasil está na Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Um time de pesquisadores, agora vinculado a nós aqui do Brazilian Institute of Neuroscience and Neurotechnology (BRAINN), trabalha no protótipo de uma cadeira de rodas robótica que pode ser controlada por movimentos de cabeça e face.

cadeira de rodas assistiva - brainn

Modelo da cadeira de rodas assistiva sendo desenvolvida pela equipe do BRAINN.

“Nós fazemos pesquisas em diversas frentes, tais como em tecnologias que respondem a expressões faciais, outras a partir de estímulos visuais (eyetracking), acionadas por voz e, finalmente, tecnologias baseadas em Brain-Computer Interface (BCI), que é a possibilidade de converter pulsos cerebrais em comandos reconhecíveis por computador”, esclarece o professor Eleri Cardozo, membro da equipe. Parece ficção.

O pesquisador revela que não há nenhuma previsão para que o protótipo chegue ao mercado, mas as ambições dos envolvidos geram enorme expectativa.

“Os testes em laboratório são essenciais para que possamos produzir um equipamento confortável, um equipamento para ser utilizado o tempo todo de forma natural”, explica Cardozo.

“Nossa expectativa não é lançar uma cadeira de rodas completa, mas colocar o que há de melhor de toda essa tecnologia em um módulo que possa ser instalado em uma cadeira de rodas comum, algo que a pessoa já tenha”, prossegue.

 

ASSISTIVO E ACESSÍVEL

eleri cardozo brainn unicamp

O pesquisador Eleri Cardozo, do BRAINN. Foto: Antoninho Perri/UNICAMP

Cardozo espera que o módulo, quando lançado, seja mais acessível do que outras cadeiras disponíveis no mercado. Acostumado a receber contatos de pessoas de todas as partes do país querendo comprar a tecnologia, ele é enfático ao repetir que não há qualquer previsão de quando o produto será lançado.

Futuramente, no âmbito das políticas públicas de saúde, estratégias podem vir a ser articuladas para subsidiar parte do custo ou mesmo o total do produto, mas isso é algo que só poderá ser discutido com profundidade quando a tecnologia estiver, de fato, disponível.

Leia mais na revista eletrônica ComCiência!

 

[1] Bersch e Tonolli

* Jornalista formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), aluno da especialização em Jornalismo Científico do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor/Unicamp). É bolsista MídiaCiência/FAPESP.

 

One thought on “Novas tecnologias assistivas oferecem mais autonomia a pessoas com deficiência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *